sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Outro bom ano

2010 chegou ao fim. Tinha muitas expectativas para esse ano, e ao olhar em retrospectiva acredito que tudo correu ainda melhor do que eu podia imaginar. O que eu aprendi? Ah sim, faça tudo por amor, nunca deixe de acreditar, e seja fiel a si mesmo. Minhas esperanças agora se renovam, meus sonhos estão mais perto de se tornarem realidade, e eu... Ah, eu continuo o mesmo; quem diria?

Os dias ruins se foram e melhores estão por vir, e à meia noite de hoje estaremos todos brindando por isto e assistindo aos fogos explodirem e iluminarem o céu. O que mais posso dizer depois de um ano de longas divagações sobre o mundo, ou o que o amanhã nos reserva, ou as esperanças que carregamos no coração, ou o amor cujo qual todos esperamos encontrar.

Poderia agradecer a todos que me apoiaram quando estava prestes a desabar, aqueles que secaram minhas lágrimas, e especialmente aqueles que impediram que eu sequer as derrubasse. Estamos deixando para trás um ano que trouxe muitas mudanças, momentos e emoções indescritíveis a não ser pelo fato de que tudo foi inesquecível demais para apenas ficar na memória. O amanhã está por vir, e lá vamos nós para um novo capítulo de nossas vidas, mais experientes porém nem tão preparados, com medo e dúvida, mas sempre em frente. Não posso reclamar, só tenho a agradecer. Se um dia tive problemas, com certeza não foram por falta de felicidade.

Eu tenho meus amigos, minha família, minhas músicas, minhas palavras, e meu amor que ainda não conheci, mas que está à minha espera. Não estou solitário, só estou solteiro e isso não é o fim do mundo. E agora eu percebo que na verdade jamais estive sozinho; mesmo nas piores crises, sempre havia alguém ao meu lado. Sabe, eu já nem me preocupo mais em assistir aos fogos sozinho; eu a conhecerei amanhã. Enquanto isso, o mundo real que me aguarde; ano novo, mesmo Igor.

E estou só começando.

Trilha sonora de Dezembro:

01. Better Days – Goo Goo Dolls

02. How Can You Mend a Broken Heart – Al Green

03. Meet Me Halfway – The Black Eyed Peas

04. Hey, Soul Sister - Train

05. Firework – Katy Perry

06. Don’t Let Me Be Misunderstood – Santa Esmeralda

07. Side By Side By Side - Company” (2006 Broadway Revival)

08. Unforgettable – Nat King Cole

09. I’ll Go Crazy If I Don’t Go Crazy Tonight – U2

10. Don’t Rain On My Parade – Barbra Streisand

11. Last Christmas – Wham!

12. Don’t Stop Believin’ – Journey

13. Dog Days Are Over – Florence + The Machine

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

O homem do saco, ou não deixe de acreditar


Minha irmã não acredita em Papai Noel. Ela tem apenas nove anos, e eu acho isto assustadoramente errado. Na verdade ela se confundiu bem quando o descobriu, e o confundiu com o homem do saco. Às vezes passeavamos no shopping e ela se assustava quando passávamos pela vila cenográfica do bom velhinho, e chorava para que não deixassemos ele a levar embora.

Comigo foi diferente; quando eu era criança, e mais infantil do que hoje, o Natal era o dia mais importante do ano. Não pelos presentes - tudo bem, em grande parte, pelos presentes - mas por tudo que a data representava. Tudo o que eu via em desenhos sobre as luzes ofuscantes, as árvores decoradas, a família reunida, se tornada realidade na véspera do Natal. E por um dia milagres se tornavam possíveis, e a mágica de ver coisas que dizem não existirem se tornarem realidade diante dos seus olhos era a melhor parte da infância.

Então crescemos, deixamos coisas como faculdade, trabalho e contas se apoderarem das nossas vidas, e o Natal perde seu significado. Torna-se apenas mais um dia, um daqueles em que dar presentes é obrigatório e só aceitamos brincar de "amigo secreto" para não parecermos anti-sociais. Semana passada vendi um chopp ao homem contratado pelo shopping para posar como São Nicolau em um cenário construido perto da entrada, onde as pessoas param para tirar fotos e tomar sorvete – fica bem ao lado de um quiosque de casquinhas. Não me senti tão perturbado ao ver minha maior fantasia de Natal ser trucidada naquele momento; me incomodei mais quando ele pediu desconto mas concedi, afinal ele só sai de casa uma vez por ano e todo mundo merece uma choppinho no fim do dia.

Não me lembro ao certo de como descobri que Papai Noel não existe, mas lembro de que acreditei até quando pude. E hoje me agarro à crenças em coisas que dizem não existirem sem me importar se realmente podem acontecer, porque parecem boas demais para não serem verdade. Sonhos, felicidade, amor, são coisas que todos consideramos importantes, mas exatamente o quanto nos dedicamos a acreditar que são possíveis quando nos é imposto que só podemos acreditar naquilo que podemos ver. Assim algumas pessoas perdem o Natal ao longo do caminho, e toda a mágica em que um dia acreditavam com todas as suas forças.

Mas algumas pessoas apesar de crescerem e se ajustarem ao mundo real jamais deixam de acreditar, e são pessoas abençoadas por isto; são eternamente jovens. Natal ainda é a época para mágica, milagres, e acreditar naquilo que não se pode ver. Quando começamos a abrir mão de nossas crenças, é aí que começamos a morrer. Os adultos precisam do Papai Noel mais do que as crianças; são eles quem estão sendo massacrados dia após dia pelo mundo real, vendo sonhos não se realizarem e suas esperanças serem desperdiçadas.

Talvez não seja a descrença em Papai Noel que me incomodou, e sim porque parece que minha irmãzinha desistiu cedo demais. Eu não me comportei tanto este ano mas se puder fazer apenas um pedido, que seja este: não deixe minha irmã deixar de acreditar, Papai Noel, assim como você fez comigo. Feliz natal.

Ao som de: Last Christmas – Wham!

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

2010 lágrimas, parte 12: Amanhã

Eu não faço a mínima idéia do que o amanhã trará para mim, e também já não sei mais o que esperar. Esperanças, todos nós temos. Sonhos, quem dera todos se tornassem realidade. Promessas, nem todas são cumpridas. A maioria das pessoas dirá que viver o hoje é o mais importante e elas tem razão; de nada adiana olhar para trás pois não fará diferença, e o aqui e o agora é o que definem a estrada adiante. O caminho a ser trilhado só possui uma direção: seguir em frente.

Claro, podemos tomar desvios ou nos perder durante a jornada, e quando sentirmos que não podemos continuar e o hoje já fechou todas as portas, tudo o que realmente resta é rezar para que amanhã encontremos nosso caminho de volta para casa, para o amor, ou para nós mesmos. Esperanças, são o que nos fortalecem. Sonhos, não seriamos nada sem eles. Promessas, vivemos para cumprí-las. E às vezes esperar pelo amanhã é necessário, especialmente ao fim de um dia difícil. Elevamos nossas expectativas para o amanhã a cada por do sol, nos despedindo de pessoas que reencontraremos na manhã seguinte, e deitando a cabeça no travesseiro pensando em tudo mais que está por vir.

Esperamos pelo melhor, sonhamos com o que mais desejamos, e quanto às promessas... Todos nós queremos ver a promessa de uma vida feliz se tornar realidade para nós. Talvez seja descobrindo que não mantivemos nossas esperanças em vão, ou que podemos realizar sonhos que jamais pensávamos serem possíveis, ou então encontrando aquela pessoa cuja qual seria a resposta para todas as perguntas que nos assombram ao longo do dia. Acordo pela manhã e imagino, "Será que a conhecerei hoje?". Deito a cabeça no travesseiro à noite e penso, "Vou encontrá-la amanhã?".

O bom do futuro é que acontece um dia de cada vez, e se sentir que seu dia poderia ter sido melhor, é aí que você percebe o valor da manhã seguinte. E assim como nenhum dia é igual ao outro o próximo jamais me desaponta, mas o anterior sempre deixa saudades. Você vai adorar o amanhã, pode acreditar.

1º - O amanhã pode esperar (10/12)

2º - Talvez amanhã (02/09)

3º - Um bom ano (01/01)

4º - Amanhã (25/05)

5º - Sem rede de proteção (28/05)

6º - Grandes esperanças (17/06)

7º - Dê tempo ao tempo (23/06)

8º - 19 (28/10)

9º - Enquanto houver sol (04/11)

10º - Evolução (29/10)

Ao som de: Don’t Stop Believin’ – Journey.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

2010 lágrimas, parte 11: Igor, o incorrigível

Ser dramático permite a você ver o mundo com outros olhos, e com a dose certa de neurose e ultraromantismo, algumas pessoas podem se assustar com tamanha paixão pela vida. Queremos ser felizes, mas queremos ser felizes do jeito que sempre sonhamos que seriamos. Se ficarmos felizes de qualquer outro jeito, não estamos realmente contentes, entende? Às vezes o mundo real desmorona sob nossos pés e nos deixa sem chão, e se esconder debaixo das cobertas parece ser o melhor a fazer até tudo fazer sentido de novo. Mas não nos preocupamos, porque sempre encontramos uma maneira de sobreviver. Porque nossos corações, apesar de partidos, ainda são fortes e cheios de esperança por dias melhores. Porque aquele amor que mantemos em segredo um dia pode olhar para nós e realmente nos ver, e como seria bom... Pessoas dramáticas acreditam também que estão sempre sozinhos, como se não pudéssemos conhecer bem uns aos outros. E às vezes quando se espera por tudo, você pode acabar sem nada. Mas seja lá qual for a razão do seu rio de lágrimas e sentindo que está prestes a se afogar, lembre-se que toda a felicidade que procura está há cem lágrimas de distância. Algumas pessoas são incorrigíveis em se tratando de paixão.

1º - Igor, o incorrigível (11/10)

2º - Eu vou sobreviver (28/11)

3º - Sonhos de uma noite de serão (11/04)

4º - O rei do drama (13/11)

5º - À procura da infelicidade (20/08)

6º - Mais do que tudo (18/09)

7º - Até a eternidade (12/04)

8º - Somos todos sozinhos (22/05)

9º - Relacionamentos imaginários (19/10)

10º - Terra de ninguém (18/06)

Ao som de: And I Am Telling You (I’m Not Going) – Jennifer Hudson.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

2010 lágrimas, parte 10: Morescismo

Todo mundo tem uma filosofia de vida na qual baseia suas decisões, seus julgamentos e suas teorias. Afinal tudo é relativo, assim como tudo pode ter um sentido ou não; depende do que você acredita. E para cada causa, nenhuma está perdida enquanto alguém ainda estiver disposto a acreditar. Nós todos temos nossas teorias sobre o mundo e seus paradoxos; vida e morte, amor e sexo, certo e errado. Podemos agir sem esperar consequências? Por quanto tempo aguentamos ser feridos pelos outros? E se eu desse um fim a tudo? Do Existencialismo ao Pragmatismo, com uma boa dose de neurose e frustração. Algumas pessoas veem as coisas do jeito que são e se perguntam, "Por que?", enquanto outras veem as coisas como nunca foram e questionam, "Por que não?". Às vezes quanto menos sentido tem, mais significado possui.

1º - É só isso? (07/10)

2º - Tema de vida (29/05)

3º - E daí? (14/12)

4º - O que sexo tem a ver com isso? (20/10)

5º - À prova de balas (12/10)

6º - Condição crítica (19/10)

7º - Se eu pensaria em suicídio? (22/08)

8º - Não pergunte, não diga (08/11)

9º - Aqui se faz, aqui se paga (14/10)

10º - Jogos que as pessoas jogam (28/08)

Ao som de: Vogue – Madonna.

2010 lágrimas, parte 9: Psicologias

2010 também foi o ano em que algo diferente começou. Algo que estava guardado no fundo da minha mente há alguns anos, disfarçado com desinteresse mas guardando a essência do que na verdade era um sonho. Um sonho que apesar de todas as probabilidades, se tornou realidade.

Ano após ano alunos de colegial tentam formar junto consigo seu futuro e correm atrás de uma vaga em uma universidade, enfrentam os mais diversos vestibulares, e se emocionam quando seu nome aparece na lista dos aprovados. E, um ano atrás, eu era um deles... De novo. Depois de deixar para trás o que achava que era minha vocação, uma prestigiosa carreira como jornalista, para seguir o que deveria ter feito logo no início: optar pelo que faz meu coração vibrar.

Ações, emoções, pensamentos, teorias, consciência, inconsciência, dentre todos os outros desdobramentos que ocorrem a partir de um ser pensante. Não era mais uma questão de "penso, logo existo". Era algo a mais; sinto, logo existo. A mente humana é uma fonte inigualável de estudo, observação, e neuroses que fazem você questionar a razão e o sentido de tudo que você sempre achou que era certo. E é para isso que decidi dedicar minha vida; à descobrir cada vez mais a dor e a delícia de ser o que sou, as vantagens e desvantagens de se estar vivo e fazer escolhas, e a tarefa mais difícil de todas - colocar-se no mundo como se realmente é - e ajudar outros a fazer o mesmo.

Ninguém nunca disse que seria fácil e não faltaram aqueles que foram contra, mas fui em frente e percebi que justo quando você acha que já viu de tudo, na verdade descobre que não viu nada ainda. Seres humanos são capazes de tudo, das piores atrocidades aos maiores atos de compaixão. Como podemos nos perder tanto em nossas emoções? Por que às vezes nossas ações não correspondem aos nossos sentimentos? Existe mesmo uma intenção para tudo que fazemos? E se nosso ego é mesmo tão frágil, como podemos nos previnir para não cruzar a linha entre a razão e a loucura? Isto é, como sabemos se já não a cruzamos?

Esta é a beleza da Psicologia; quando menos se espera, mil perguntas surgem. E para respondê-las, bem, por enquanto tenho apenas um ano de experiência. Dizem que é preciso uma vida toda, e alguns até mesmo partem sem todas as respostas. Mas enquanto ainda estamos aqui e dispostos a aprender o melhor a fazer é deixar todo o medo de lado, e conversar pode ajudar. Como se sente, e o que você vai fazer com isso?

1º - Psicologia: Ano I (16/11)

2º - Todos são normais (26/08)

3º - 100 lágrimas de distância (24/02)

4º - Psicologias (01/11)

5º - No limite da razão (24/10)

6º - Schadenfreude (24/09)

7º - Res ipsa (03/11)

8º - Meu superego, meu eu II (18/11)

9º - A curva da normalidade (04/09)

10º - Meu superego, meu eu (03/09)

Ao som de: Ego – Beyoncé.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

2010 lágrimas, parte 8: Um conto de duas cidades

Dois anos atrás, um garoto saiu de casa. Ele decidiu que queria ver o mundo, que a vida ia além daquilo que ele já conhecia, e que ele mesmo podia se tornar mais do que jamais sonhou ser. E então ele chegou ao mundo real com pouco conhecimento sobre tudo, inclusive sobre si mesmo, e completamente sem direção.

Tinha um plano, mas às vezes a vida não acontece de acordo com o que planejamos - e talvez seja essa a graça. O garoto mudou, encontrou seu espaço no novo mundo mas sem se esquecer completamente de quem um dia foi, e do mundo antigo que o formou. Quando volta ao mundo antigo, as pessoas ainda o reconhecem. Percebem que mudou, amadureceu e cresceu, mas não deixou de ser quem é. Apenas se aprimorou, descobriu que por mais difícil que seja morar no mundo real, é sempre melhor agir verdadeiramente com quem você é. E quanto às cidades? O garoto agora tem seu coração dividido entre as duas, Londrina e Cascavel, o mundo novo e o antigo.

Existe algo de especial ao caminhar pelas ruas dessas cidades, ao som de suas músicas favoritas e deixando suas fantasias tomar conta em sua mente a cada passo. Talvez seja apenas comigo, mas às vezes é preciso sair de casa e andar sem rumo, deixar o vento bater no rosto, passar por multidões de pessoas, cada um com seu rumo e sua história, e deixar as ruas e os quarteirões da cidade mostrarem o caminho a seguir. E só de pensar em tudo que já pensei, senti e relembrei ao caminhar por todas essas ruas, eu percebo que no coração de uma cidade, qualquer cidade, existe um mundo de possibilidades.

1º - Eu ♥ Londrina (04/10)

2º - Eu e a cidade (09/06)

3º - Andança (19/08)

4º - Eu e a outra cidade (29/06)

5º - Siga em frente (21/08)

6º - Um conto de duas cidades (09/08)

7º - Me acorde quando Setembro acabar (01/10)

8º - Existe amor em Cascavel? (10/11)

9º - Eu ainda estou aqui (05/04)

10º - Febre da primavera (30/09)

Ao som de: Don’t Rain On My Parade – Barbra Streisand.

~> Ver também:

Parte 1 – Muito Igor por nada

Parte 2 – O mundo real

Parte 3 – Amor, amor, amor

Parte 4 – Meu alguém

Parte 5 – Este cara está apaixonado por você

Parte 6 – As últimas palavras que desperdiçarei com você

Parte 7 – Olhe em seus olhos e verá o que sabem

sábado, 18 de dezembro de 2010

2010 lágrimas, parte 7: Olhe em seus olhos e verá o que sabem

Às vezes precisamos de ajuda mas nos sentimos com medo ou envergonhados demais, ou sem saber exatamente como esticar a mão e chamar alguém para nos ajudar a levantar quando sofremos uma queda. Por sorte existem pessoas dispostas a oferecer o apoio que precisamos, a nos encorajar a tomar decisões difíceis, ou a secar nossas lágrimas sem precisarmos sequer pedir.

Essas pessoas nos conhecem bem o bastante para ver em nossos olhos quando estamos tristes e precisamos de um sorriso, ou quando estamos perdidos e precisamos encontrar nosso caminho de volta para casa, ou apenas quando precisamos de um abraço e alguém que lhes diga que tudo ficará bem. Essas pessoas possuem vários nomes; alguns as chamam de amigos, outros pensam em cada um como se fossem estrelas cadentes, e os mais sortudos não precisam chamá-los de nada pois estão sempre ao seu lado.

Em um mundo cheio de escuridão, um amigo pode nos ajudar a reencontrar a luz quando não conseguimos ver as coisas, ou a nós mesmos, claramente. Um amigo pode ver nossas cores verdadeiras mesmo quando não temos coragem de mostrá-las, pode guardar segredos que só admitimos em frias madrugadas de conversas, e pode nos fazer sentir como a pessoa mais importante que existe. São aqueles que sempre se fazem presentes, e com quem você sabe que pode contar.

Amigos não são pessoas qualqueres que você conhece; é preciso honrar o título. Amigos são como estrelas cadentes que guiam nosso caminho, que nos amam pelo que somos e cujos quais não conseguimos imaginar nossa vida sem, até quando estão longe de nós. Mesmo nos momentos difíceis, não importa quem partiu seu coração ou quanto tempo demorará para superar. Você nunca conseguirá sem seus amigos.

1º - Estrelas cadentes (14/11)

2º - Olhe em seus olhos e verá o que sabem (21/05)

3º - Felicidade aleatória (28/05)

4º - Os sonhadores (19/06)

5º - Chromolume #5 (15/11)

6º - O sonho possível (14/08)

7º - Duas vidas (13/10)

8º - Eu acho que isto é adeus (12/08)

9º - Espelho meu (22/09)

10º - Nunca se sabe (23/11)

Ao som de: True Colors – Cyndi Lauper.

~> Ver também:

Parte 1 – Muito Igor por nada

Parte 2 – O mundo real

Parte 3 – Amor, amor, amor

Parte 4 – Meu alguém

Parte 5 – Este cara está apaixonado por você

Parte 6 – As últimas palavras que desperdiçarei com você

2010 lágrimas, parte 6: As últimas palavras que desperdiçarei com você

Você. Não há palavras para descrever o sentimento da perda de algo que nunca tive, e talvez seja por isso que eu me sinto tão vazio. Eu não pude nem usar preto, porque você não era minha. Isto é, me sentia vazio, sozinho, e de certa forma, culpado. Foi alguma coisa que eu fiz? Ah, não. Só não era nada daquilo que eu imaginava, mas por que parecia tão real? Ah, sim, porque você nunca disse que não me amava.

E você foi embora, levou meu coração consigo, e deixou para trás um homem quebrado ao meio, com nada para recomeçar a não ser lembranças do garoto que um dia foi, cheio de sonhos e esperanças para o futuro. Um garoto que acreditava no amor, e que acreditava em você, mais do que tudo. Achei que ele havia morrido e que foi você quem acabou ele, por isso nem a convidei para o funeral.

Um ano depois, e eu ainda estou aqui. Algumas cicatrizes ainda não se fecharam completamente, mas meu espírito está intacto. Eu encontrei uma saída e você nunca me machucará de novo. Eu te amo, eu te odeio, eu sinto a sua falta, mas você merece mais e eu também. Então eu aprendi a abrir mão, a deixar você para trás e seguir meu caminho, certo de que estou apenas solteiro mas nunca sozinho. Afinal, o que éramos mesmo? Amigos? Amores? Ainda não sei definir ao certo; só sei que você será inesquecível para mim - do mesmo modo que eu serei para você.

Você não vai voltar, agora eu sei. Eu afundei com o navio e ainda sobrevivi para contar a história. Eu preciso me despedir de você; nós só dissemos adeus com palavras, e agora são só o que temos. E para mostrar que não há arrependimentos, aqui estão as últimas palavras que desperdiçarei com você. Eu te amo; adeus.

1º - Bons tempos (12/01)

2º - Quando a chuva passar… (07/11)

3º - Bandeira branca II (06/05)

4º - As últimas palavras que desperdiçarei com você (16/09)

5º - O vencedor leva tudo (10/08)

6º - Você me perdeu (15/08)

7º - A volta dos que não foram (22/11)

8º - A única exceção (26/05)

9º - Inesquecível (13/12)

10º - Porque você me amou (09/12)

Ao som de: Take a Bow – Rihanna.

~> Ver também: volumes I, II, III, IV e V.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

2010 lágrimas, parte 5: Este cara está apaixonado por você

Nem todo o meu amor é imaginário; algumas existem e são bem atraentes. Algumas eu conheci de perto, outras amei de longe. Eu só não fui capaz de tornar realidade o que estava sentindo; não pude tentar entregar a elas todo este amor, se é que podem ser chamados de amores. Atrações, paixões, encantamentos, seja lá como tenha sido ou qual nome possua, o sentimento é sempre o mesmo. O suor frio, o tremor das mãos quando as via, o nervosismo por estar perto delas, e todos os sonhos que tinha, mesmo acordado.

Talvez a melhor parte dos amores platônicos é que pertencem a nós e à nossa imaginação, e não há nada de ruim em cultivá-los. Porque, afinal, quem sabe um dia não se tornam realidade? E para cada uma delas, as borboletas no estômago que senti, as lágrimas que derramei, as paranóias nas quais viajei, e as fantasias com as quais sonhei, parte delas sempre deixei aqui - porque nunca se sabe.

Não teria coragem de dizer a elas que seus olhares, seus atributos, sua beleza, o doce som de sua voz e os suaves movimentos que realizavam enquanto passavam por mim me cativaram mais do que podiam imaginar. Mas, ah, como seria bom. Me faz pensar em tudo que fiz por amor, tudo que jamais farei de novo, e tudo que ainda sonho em fazer mas ainda não tenho coragem de tentar. E só de pensar em todos os amores platônicos que mantive secretamente - ou talvez nem tão secretos assim - este ano, ainda consigo sentir meu coração palpitar um pouco. Não com a mesma intensidade, mas o bastante para fazer cada uma delas, inesquecíveis.

1º - Este cara está apaixonado por você (11/11)

2º - História de amor (05/11)

3º - Ela será amada (23/09)

4º - O que eu nunca farei por amor de novo (20/05)

5º - Mulheres bonitas (14/09)

6º - Não te conheci ainda (13/05)

7º - Um romance ruim (11/03)

8º - À primeira vista (19/11)

9º - O efeito Scherzinger (18/06)

10º - Honestamente, loucamente, profundamente (10/10)

Ao som de: No Air – Jordin Sparks & Chris Brown.

2010 lágrimas, parte 4: Meu alguém

O relacionamento mais excitante, desafiador e significativo de todos é aquele que você tem consigo mesmo. E se você encontrar alguém que ame o você que você ama, bem, é aí que a felicidade começa. Mas às vezes enquanto esperamos não conseguimos deixar de imaginar em como será quando finalmente encontrarmos o amor que tanto procuramos. Como será o tom da sua voz, o toque da sua pele, como nos faz sentir, e como faremos de tudo para continuarmos nos apaixonando todos os dias.

Todo mundo precisa de alguém para amar, e quanto não conhecemos essa pessoa ainda, não há nada de errado em desejar "boa noite" para seu alguém mesmo que não tenham se encontrado ainda. Qual é o mal em acreditar? É possível encontrar alguém que seja a resposta para todos os nosso sonhos? Existe tal coisa como alma-gêmea?

Talvez sim, talvez não. A verdade é que eu não tenho as respostas, nem mesmo certeza de que um dia eu a encontrarei. Tudo que sei é que não consigo deixar de acreditar, de procurar, e de esperar. Existem alguns sonhos dos quais não podemos abrir mão por mais impossíveis que pareçam, e algumas coisas como felicidade, para sempre, e amor parecem boas demais para não serem verdade.

1º - O sonho impossível (13/03)

2º - Ilusões do amor, eu acho… (02/07)

3º - Os três dias do condor (26/06)

4º - Razões para acreditar (03/11)

5º - Boa noite, meu alguém (20/06)

6º - Eu só quero estar com você (29/08)

7º - Eu quero amor (03/12)

8º - Agonia e êxtase (16/08)

9º - Estar vivo (23/08)

10º - A constante (30/07)

Ao som de: On My Own – Les Misérables.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

2010 lágrimas, parte 3: Amor, amor, amor

Outra coisa que você precisa saber sobre mim; eu quero amor. Nunca senti vergonha por querer alguém para amar, porque eu tive uma vez e era tudo para mim - mesmo que não tenha sido de verdade.

Eu sempre tive essa teoria de que todo mundo procura ter um grande amor na vida, alguém para dar significado aos dias, para compartilhar alegrias, e para tomar nossas dores. Eu falo muito de amor, mas confesso que faço pouco. Não saio por aí à procura desvairada de alguém para amar; sempre imaginei que aconteceria naturalmente. Na hora certa eu saberia, eu a reconheceria e, na maior das ilusões, deixariamos de trilhar nossos caminhos separadamente, dariamos as mãos e então caminhariamos rumo a um novo futuro juntos, felizes, e completos. A teoria é linda, mas a prática pode deixar um pouco a desejar. Mas isso não me impede de falar, escrever, desejar, e sonhar.

E quanto às pessoas que deixaram de acreditar que o amor pode dar certo e que a felicidade entre duas pessoas é possível, são pessoas que sofreram ao ver seu "felizes para sempre" desabar-se com o amor errado, e passaram a carregar consigo um coração partido que os fez imune à qualquer crença que pudesse trazê-los de volta à vida. Todo mundo quer viver uma história de amor, por mais que este não faça sentido, nos machuque de maneiras impensáveis, e nos leve a tomar decisões extraordinárias – inclusive, desejar não sentí-lo.

O que é o amor? Como o encontramos? É algo que realmente existe? Não me faltam pensamentos quando o assunto é amor; pensamentos que compartilhei ao longo deste ano para quem quisesse ler, se identificar e sonhar.

1º - Um (16/06)

2º - De volta ao amor (24/08)

3º - O amor está vivo (29/01)

4º - O que eu fiz por amor (17/05)

5º - Palavras de um coração partido II (26/09)

6º - O amor da sua vida (08/12)

7º - O amor está no ar (13/06)

8º - Amor ilimitado (30/08)

9º - Amor, amor, amor (25/10)

10º - Cartas de amor (23/02)

Ao som de: Somebody to Love – Queen.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

2010 lágrimas, parte 2: O mundo real

Se você me conhece bem a essa altura já sabe como vivo no meu próprio mundo, e de como às vezes me encontro envolvido em guerras imaginárias contra o bom senso, o politicamente correto, as convenções sociais, e tudo mais no qual a maioria das pessoas se apoia. Pessoas que abriram mão dos seus sonhos para manter os dois pés no chão, por medo de voar e sofrer uma queda. Ou pior, pessoas que sofreram uma queda da qual nunca mais se levantaram, e acharam que seria mais cômodo balançar a cabeça para tudo que lhes é apresentado, e concordar em fazer parte do bege que cobre esse mundo.

Nunca disposto a ser só mais um na multidão, eu luto com todas as minhas forças quando sinto meu mundo em conflito com as pessoas e tudo mais que existe lá fora. O mundo real; sou constantemente convidado a integrá-lo, mas não consigo deixar de sentir que permitir deixar-me levar pelo que é mais conveniente, e não pelo que faz o coração vibrar, seria deixar-se morrer aos poucos. Mas às vezes é bom tocar o chão para não se perder tanto em ilusões, e de vez em quando precisamos ser mais maduros quanto à vida e a nós mesmos.

Mas como encontrar o equilíbrio entre o nosso mundo e o mundo real? É a pergunta que venho tentando responder já há algum tempo, e aqui estão minhas dez principais divagações sobre lutar pelos seus sonhos, amadurecer, e nunca se esquecer de que o mundo não é mais um lugar romântico mas algumas pessoas ainda são. Não deixe o mundo vencer.

1º - Admirável mundo novo (11/12)

2º - À deriva (18/10)

3º - O mundo real III (17/09)

4º - O mundo sensível (23/04)

5º - A guerra fria II (27/04)

6º - Palavras cruzadas (05/10)

7º - Mostre o caminho (28/02)

8º - Diga como é (18/06)

9º - Politicamente incorreto (30/10)

10º - Inverno II (04/05)

Ao som de: Rehab – Amy Winehouse.

2010 lágrimas, parte 1: Muito Igor por nada

365 dias, 164 postagens, 136 músicas, e muito, muito drama. Meu nome é Igor Costa Moresca, e se você ainda não me conhece, existem algumas coisas que precisa saber. Eu sou alguém que está a procura de amor - amor real, amor incondicional, ridículo, consumidor, amor do tipo um-não-vive-sem-o-outro. Sou alguém que vive em seu próprio mundo, onde suas filosofias mostram o caminho a seguir, e quanto menos sentido as coisas tiverem, melhor.

Eu tinha muitas expectativas para o ano de 2010, e agora que já está chegando ao fim, posso dizer que passei a maior parte do tempo felizmente surpreendido, e derramando lágrimas de alegria em vez de tristeza. E ao olhar em retrospectiva para todas as pessoas que conheci, os lugares que frequentei, os amores que senti, as neuroses com as quais sofri, e os sonhos dos quais não abri mão - e inclusive os que vi se realizarem - não posso deixar de refletir em como este sem dúvida será um ano para guardar no coração.

Dizem que ao relembrar como foi seu ano e isto não lhe trouxer lágrimas de felicidade ou dor, considere-o desperdiçado. E eu vivi; ah, como eu vivi. Para rever a jornada que fiz até aqui, preciso começar pelas questões mais importantes; eu ainda sou eu? Qual é o mal em acreditar em "felizes para sempre"? E se no fim tudo isso acabar sendo apenas "muito Igor por nada"?

Tentei respondê-las por meses, e agora aqui estão as dez tentativas em que senti que cheguei mais perto de descobrir. Senão as respostas, pelo menos a mim mesmo. E adivinhem só; eu continuo louco, mesmo depois de todos esses anos.

1º - Muito Igor por nada (19/09)

2º - Quem é esse garoto? (28/09)

3º - 100 lágrimas (08/10)

4º - Quando eu crescer… (27/10)

5º - Zen-Morescismo (21/09)

6º - Palavras de um coração partido (25/09)

7º - Você vai adorar o amanhã: O musical (28/10)

8º - Crepúsculo, ou o último dos românticos (30/06)

9º - O verdadeiro Igor (13/08)

10º - Você ainda é você (31/01)

Ao som de: I Will Remember You – Ryan Cabrera